Siga-nos  
                                                       Cidadão SP    /governosp    Dúvidas Frequentes


SP: Codasp passa por transformação para ser mais eficiente e produzir com sustentabilidade

Com as marcas da gestão eficiente, da inovação e do cuidado com o dinheiro público, a Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Codasp), empresa vinculada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, passou por um importante período de transformações nos últimos três anos, se reinventando para se adequar às realidades do mercado, à evolução da agricultura paulista e ao momento político-econômico brasileiro. A diretoria, em consonância com o Conselho de Administração, trabalhou fortemente, administrando seus programas e adotando, ao mesmo tempo, uma série de medidas para que a companhia evoluísse no aspecto operacional e alcançasse seu equilíbrio econômico-financeiro.

O presidente em exercício da Codasp, Alexandre Penteado Pires, afirmou que induzir a empresa a se reinventar, foi um ato de coragem do secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, que é o presidente do Conselho de Administração da Codasp. “Há alguns anos, a Companhia começou a dar sinais de saturação e, quando o secretário foi indicado para fazer parte do Conselho, em março de 2015, passou a trabalhar com os funcionários para que a empresa conseguisse se recuperar”, lembrou.

O Programa Melhor Caminho/Pontos Críticos, principal atuação da empresa, entre 2015 e 2017, recuperou 874 quilômetros de estradas de terra, em 123 municípios, em um investimento de R$ 99,22 milhões, realizado pelo Governo do Estado, transformando vidas com ganhos econômicos, ambientais e sociais. Além de dar nova vida às estradas, permitindo o escoamento da produção e da mobilidade das pessoas, o Programa utiliza técnicas de conservação que preservam a água, evitam assoreamento e garantem mais produtividade ao agricultor que tem sua propriedade à beira da via, contribuindo para uma agricultura mais sustentável.

Ambiental
Nesses três anos, o foco ambiental também ganhou força, ampliando as ações de conservação da água e do solo e a atuação na área de recomposição ambiental de áreas degradadas. Exemplo disso é que a Codasp, em parceria com o Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (Daee), realizou o plantio de 110 mil mudas de árvores de 80 espécies nativas da Mata Atlântica, às margens do Reservatório de Paraitinga, em Salesópolis.

Além disso, realizou o projeto de plantio de 27 mil mudas nativas em Áreas de Proteção Ambiental (APP’s), mata ciliar, no Projeto Nascentes de Holambra, com recursos da Fundação Banco do Brasil, no programa desenvolvido pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, para recuperação de nascentes em 101 propriedades.

Mais ainda, teve atuação decisiva naquele projeto, com a realização do efetivo plantio das mudas nos Projetos Individuais de Propriedade (PIP&39;s), nas 101 áreas do Projeto, contratados pela Agência das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Apcj).

A atuação da Codasp nos Projetos Nascentes de Holambra e Botucatu-Pardinho, contratados pela Agência Nacional de Águas (ANA), foi muito mais ampla, pois ela também realizou o cercamento de nascentes, nos plantios nas Áreas de Proteção Ambiental (APP’s), para que as mesmas ficassem protegidas de danos.

Interação e pesquisa
A Codasp foi contratada por outros órgãos do Governo do Estado para a realização de trabalhos relevantes. Contribuiu para a pesquisa aquícola de São Paulo, com a construção de 27 tanques do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio do Pescado Continental, do Instituto de Pesca (IP), da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), em São José do Rio Preto.

Realizou a conservação de estradas rurais e serviços de motomecanização agrícola em assentamentos no Pontal do Paranapanema, contratada pela Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp).

Transferência de conhecimentos
Outro foco no período 2015-2017 foi o Curso de Recuperação e Manutenção de Estradas Rurais para Engenheiros e Operadores de Máquinas, disseminando o conhecimento para que os municípios desenvolvam o trabalho de maneira correta. Foram realizados treinamentos em Pederneiras, Quatá, incluindo participantes de Indiana e alunos da Etec Dr. Luiz César Couto, Taciba, Sagres e Narandiba.

Em conjunto com a Associação de Recuperação Florestal do Pontal do Paranapanema (Pontal Flora) realizou o curso e construção do Simulador de Chuvas, dentro do Projeto de Capacitação e Treinamento para Preservação e Gestão dos Recursos Hídricos (Fehidro), entre outras ações.

Além disso, a Codasp foi protagonista apresentando o Projeto Nascentes no V Ciclo de Palestras sobre Conservação do Solo e da Água – Nascentes – Observatório Meteorológico de São José do Rio Preto.

Crédito especial e novo status
No final de 2016, a Codasp ganhou novo fôlego para continuar escrevendo sua história de quase 90 anos de prestação de serviços ao Estado de São Paulo. A Lei Estadual 16.335/2016 autorizou um crédito especial para a empresa no valor de R$ 23,5 milhões, possibilitando a quitação de dívidas e a retomada da normalidade das operações, já que a mesma passava por dificuldades acumuladas em anos anteriores.

A mesma lei a tornou uma empresa Dependente do Tesouro do Estado, um novo status que garantiu que continuará a prestar relevantes serviços à agropecuária paulista.

Redução de custos
Os ajustes passaram também por um Programa de Redução de Custos, que incluiu a redução de complementação de frota, fazendo o aproveitamento de 100% da frota operacional, além da renegociação de contratos, racionalização de consumos (telefonia, água, energia, combustível) e aprimoramento do procedimento de aquisição de insumos, peças e serviços.

Reestruturação organizacional
Entre 2015 e 2017, destacou Alexandre Pires, a Companhia passou por uma profunda reestruturação organizacional, para que a empresa passasse a trabalhar com uma estrutura física e de pessoal adequada à realidade do mercado, contribuindo para o equilíbrio financeiro, sem perder a qualidade e a capacidade produtiva. Para isso, foram adotadas as seguintes medidas:

Reorganização Estrutural, concentrando as atividades em três unidades: Escritório Central, Regional Nordeste e Regional Sudeste; desativação da Gerência de Manutenção; readequação do quadro de pessoal, com realização de um Plano de Demissão Voluntária (PDV) e Demissão Motivada, que reduziu o número de funcionários em 20%; implantação das áreas de Auditoria Interna e Conformidade, Gestão de Risco e Controle Interno (Congercin); divulgação do Código de Conduta e Integridade.

Além disso, foi realizado um Planejamento Estratégico, após oito anos sem renovação, estabelecendo-se a expansão do portfólio de serviços, a criação de uma área comercial e a promoção da sustentabilidade econômico-financeira da empresa. Entre outras metas, foi dedicada especial atenção à elaboração anual de Plano de Negócios.

 

Fonte: Página Rural, Abr/2018 (http://www.paginarural.com.br)

Para acessar a noticia clique aqui


Museu de Pesca encanta visitantes